“Wednesday” para “Wandinha” e os tipos de tradução

“Wednesday” para “Wandinha” e os tipos de tradução

O serviço de tradução existe desde os tempos antigos. Desde antes mesmo da tradução da escrita, já havia tradução simultânea feita por viajantes, comerciantes e emissários para que dois povos conseguissem estabelecer relações.

Com o passar do tempo, e com o avanço da tecnologia, o jeito como se traduz foi mudando, mas sua dificuldade não diminuiu.

É o exemplo da “localização“. Recentemente, uma discussão surgiu no Twitter a respeito de uma série que está em alta na plataforma do Netflix: Wandinha. Internautas alegaram que a tradução foi mal feita pois, no idioma original, o seu nome é “Wednesday” e sua tradução direta ficaria “Quarta-feira“. O serviço que foi feito na série é o que chamamos de “localização“. A tradução não se dá de forma literária, mas da forma que melhor transmite a ideia original para um país diferente, com seus costumes e tradições.

Um exemplo diferente, da mesma plataforma, foi no caso da tradução do título de outra série: “O Gambito da Rainha“. O título da série original é “The Queen’s Gambit” e a tradução literária é essa mesmo “O Gambito da Rainha” mas há uma diferença. O nome da série faz referência a uma abertura do jogo de xadrez. Em alguns países a peça se chama “Queen (Rainha)” mas, no Brasil, o nome da peça é “Dama” e essa abertura se chama “O Gabito da Dama“. Isso, muito provavelmente, foi deixado sem esse serviço de “localização” propositalmente para que o título da série tivesse mais destaque.


A localização é um dos desafios da tradução moderna e ocorre em todos os países. A Turma da Mônica, gibi brasileiro, foi exportada para os Estados Unidos e sofreu algumas mudanças bem legais, como o “Cebolinha” que recebeu o nome de “Jimmy Five” pelo seu cabelo de 5 pontas.


Outros tipos de tradução são:
Tradução Juramentada – Tradução de documentos para que eles possam ter validade em outros países. Tem que ser feito por um tradutor especial que é qualificado através de concurso público.
Tradução Técnica – Tradução de conteúdo específico, sendo necessário conhecimento da área para que seja realizada da forma correta. Exemplo de manuais técnicos de medicina, engenharia etc.
Tradução Simultânea – Exige muita concentração, fluência e competência para ouvir e traduzir em tempo real de um idioma para o outro com o mínimo de perdas possível.


Esses são alguns dos tipos de tradução e seus desafios.


Lembre-se, se precisar de um serviço de tradução profissional, contrate a QVP Soluções Linguísticas!

Conheça os finalistas do Prêmio Jabuti 2022

Conheça os finalistas do Prêmio Jabuti 2022

Referência entre os prêmios literários do país, o Prêmio Jabuti é patrimônio cultural. Há anos, ele amplia os feitos da indústria editorial e o alcance da cultura literária nacional.

O Prêmio Jabuti se mantém relevante para premiados(as), editoras e agentes de cultura porque desde sua criação, em 1958, distingue ininterruptamente obras e autoras(es). 

Realizado há mais de seis décadas, o Jabuti se empenha em iluminar o que de mais significativo se produz em seus quatro eixos — Literatura, Não Ficção, Produção Editorial e Inovação.

Os finalistas desse ano são:

Eixo: Literatura

Conto

Título: A cicatriz e outras histórias | Autor(a): Bernardo Kucinski | Editora(s): Alameda Casa Editorial

Título: A dama de branco | Autor(a): Sérgio Sant’Anna | Editora(s): Companhia das Letras

Título: A ilha dos sentimentos perdidos | Autor(a): Hada Maller | Editora(s): Obra Independente

Título: A mulher que pariu um peixe e outros contos fantásticos de Severa Rosa | Autor(a): Rai Soares | Editora(s): Jandaíra

Título: A vestida: contos | Autor(a): Eliana Alves Cruz | Editora(s): Malê

Título: Como pássaros no céu de Aruanda | Autor(a): Paty Wolff | Editora(s): Entrelinhas Editora

Título: Erva brava | Autor(a): Paulliny Tort | Editora(s): Fósforo

Título: O castiçal florentino: Contos | Autor(a): Paulo Henriques Britto | Editora(s): Companhia das Letras

Título: Pretos em Contos – Volume 2 | Autor(a): Cristiane Sobral e Plínio Camillo | Editora(s): Aldeia de Palavras

Título: Zaranza | Autor(a): Rita de Podestá | Editora(s): Reformatório  

Crônica

Título: A lua na caixa d’água | Autor(a): Marcelo Moutinho | Editora(s): Malê

Título: Crônicas de pai | Autor(a): Leo Aversa | Editora(s): Intrínseca

Título: Diário do Bolso 5 – 1001 dias que foram noites | Autor(a): Ivo Minkovicius e José Roberto Torero | Editora(s): Padaria de Livros

Título: Mas em que mundo tu vive? | Autor(a): José Falero | Editora(s): Todavia

Título: Na barriga do lobo | Autor(a): Luís Henrique Pellanda | Editora(s): Arquipélago Editorial

Título: Natureza: a arte de plantar | Autor(a): Leonardo Fróes | Editora(s): Cepe

Título: Os sabiás da crônica | Autor(a): Augusto Massi | Editora(s): Autêntica

Título: Qualquer lugar menos agora | Autor(a): J. P. Cuenca | Editora(s): Record

Título: Restos & Rastros | Autor(a): Livia Garcia-Roza | Editora(s): Geração Editorial

Título: Vida desinteressante | Autor(a): Victor Heringer | Editora(s): Companhia das Letras

Histórias em Quadrinhos

Título: A menor distância entre dois pontos é uma fuga | Autor(a): Gabriel Nascimento e João Henrique Belo | Editora(s): Obra Independente

Título: Arlindo | Autor(a): Luiza de Souza (Ilustralu) | Editora(s): Seguinte

Título: Brega Story | Autor(a): Gidalti Jr. | Editora(s): Brasa Editora

Título: Cidade pequenina | Autor(a): Aldo Solano e Camilo Solano | Editora(s): Pipoca & Nanquim

Título: Escuta, formosa Márcia | Autor(a): Marcello Quintanilha | Editora(s): Veneta

Título: Gioconda | Autor(a): Felipe Pan, Mariane Gusmão e Olavo Costa | Editora(s): Nemo

Título: Manual do Minotauro | Autor(a): Laerte | Editora(s): Quadrinhos na Cia.

Título: Mapinguari | Autor(a): André Miranda e Gabriel Góes | Editora(s): FTD

Título: Risca Faca | Autor(a): André Kitagawa | Editora(s): Monstra

Título: Shamisen: canções do mundo flutuante | Autor(a): Guilherme Petreca e Tiago Minamisawa | Editora(s): Pipoca & Nanquim

Infantil

Título: Conte mais uma vez | Autor(a): Weberson Santiago | Editora(s): Yellowfante

Título: Desaforismos | Autor(a): Raquel Matsushita | Editora(s): Maralto

Título: Formigável | Autor(a): Janaína de Figueiredo e Rafa Antón | Editora(s): Aletria

Título: Mesma nova história | Autor(a): Everson Bertucci, Juão Vaz e Mafuane Oliveira | Editora(s): Peirópolis

Título: Nas garras dos babuínos | Autor(a): Rogério Andrade Barbosa | Editora(s): Editora Gaivota

Título: O jabuti não tá nem aí | Autor(a): Dalton Paula e Itamar Assumpção | Editora(s): Caixote

Título: Sonhozzz | Autor(a): Daniel Kondo e Silvana Tavano | Editora(s): Salamandra

Título: Tô com fome! | Autor(a): Fernando Vilela e Stela Barbieri | Editora(s): Edições SM

Título: Uma planta muito faminta | Autor(a): Renato Moriconi | Editora(s): Companhia das Letrinhas

Título: Vidas de porcelana | Autor(a): Ana Laura Alvarenga e Ana Rapha | Editora(s): Duna Dueto

Juvenil

Título: As Casas de Unzó | Autor(a): Ciano | Editora(s): Obra Independente

Título: Enedina Marques: mulher negra pioneira na engenharia brasileira | Autor(a): Lindamir Salete Casagrande | Editora(s): Inverso

Título: Mistério em Queluz | Autor(a): Rosa Amanda Strausz | Editora(s): Imperial Novo Milênio

Título: O Jardineiro | Autor(a): Henrique Borges | Editora(s): Obra Independente

Título: O serviço de entregas monstruosas | Autor(a): Jim Anotsu | Editora(s): Intrínseca

Título: Recãomeço | Autor(a): Rafael Tinoco de Araújo | Editora(s): Viseu

Título: Romieta e Julieu | Autor(a): Ana Elisa Ribeiro | Editora(s): Editora RHJ

Título: Sala 1208 | Autor(a): Caio Tozzi e Visca | Editora(s): Editora do Brasil

Título: SP Graja Trip | Autor(a): Geovany Hércules | Editora(s): Edições SM

Título: Super-Ulisses | Autor(a): Caio Tozzi e Renato Drigues | Editora(s): Escarlate

Poesia

Título: A Pele da Pitanga | Autor(a): Jéssica Iancoski | Editora(s): Toma aí um poema

Título: Algo antigo | Autor(a): Arnaldo Antunes | Editora(s): Companhia das Letras

Título: Até aqui | Autor(a): Lubi Prates | Editora(s): Peirópolis

Título: Extraquadro | Autor(a): Ricardo Aleixo | Editora(s): Impressões de Minas

Título: Impressão sua | Autor(a): André Dahmer | Editora(s): Companhia das Letras

Título: Palavra Preta | Autor(a): Tatiana Nascimento | Editora(s): Organismo

Título: Risque esta palavra | Autor(a): Ana Martins Marques | Editora(s): Companhia das Letras

Título: Robinson Crusoé e seus amigos | Autor(a): Leonardo Gandolfi | Editora(s): Editora 34

Título: Say it (over and over again) | Autor(a): Max Martins | Editora(s): Editora da Universidade Federal do Pará

Título: Também guardamos pedras aqui | Autor(a): Luiza Romão | Editora(s): Nós

Romance de Entretenimento

Título: O céu entre mundos | Autor(a): Sandra Menezes | Editora(s): Malê

Título: O clube dos amigos imaginários | Autor(a): Glau Kemp | Editora(s): Verus

Título: O drible da vaca | Autor(a): Mario Prata | Editora(s): Record

Título: O leão do Oeste – Livro 2: A ascensão do amaldiçoado | Autor(a): André Carvalho | Editora(s): Obra Independente

Título: O último ancestral | Autor(a): Ale Santos | Editora(s): HarperCollins Brasil

Título: Olhos de pixel | Autor(a): Lucas Mota | Editora(s): Plutão Livros

Título: Porco de Raça | Autor(a): Bruno Ribeiro | Editora(s): Darkside

Título: Quando os mortos falam | Autor(a): Cláudia Lemes | Editora(s): Avec Editora

Título: Quem me leva para passear | Autor(a): Elisa Lucinda | Editora(s): Malê

Título: Se a casa 8 falasse | Autor(a): Vitor Martins | Editora(s): Globo / Alt

Romance Literário

Título: A extinção das abelhas | Autor(a): Natalia Borges Polesso | Editora(s): Companhia das Letras

Título: A palavra que resta | Autor(a): Stênio Gardel | Editora(s): Companhia das Letras

Título: A pediatra | Autor(a): Andréa Del Fuego | Editora(s): Companhia das Letras

Título: É sempre a hora da nossa morte amém | Autor(a): Mariana Salomão Carrara | Editora(s): Nós

Título: O som do rugido da onça | Autor(a): Micheliny Verunschk | Editora(s): Companhia das Letras

Título: Pequena coreografia do adeus | Autor(a): Aline Bei | Editora(s): Companhia das Letras

Título: Uma tristeza infinita | Autor(a): Antônio Xerxenesky | Editora(s): Companhia das Letras

Título: Vista chinesa | Autor(a): Tatiana Salem Levy | Editora(s): Todavia

Título: Vozes de batalha | Autor(a): Marina Colasanti | Editora(s): Planeta

Título: Vozes de retratos íntimos | Autor(a): Taiasmin Ohnmacht | Editora(s): Taverna

Eixo: Não Ficção

Artes

Título: Apontamentos da arte africana e afro-brasileira contemporânea: políticas e poéticas | Autor(a): Célia Maria Antonacci | Editora(s): Invisíveis Produções

Título: Carnaval-Ritual: Carlos Vergara e Cacique de Ramos | Autor(a): Maurício Barros de Castro | Editora(s): Cobogó

Título: Catálogo da Mostra Amotara – Olhares das Mulheres Indígenas (2a. Edição) | Autor(a): Joana Brandão Tavares | Editora(s): Obra Independente

Título: Direito, Arte e Negritude | Autor(a): Rebeca de Souza Vieira e Veyzon Campos Muniz | Editora(s): Fi

Título: Letras que flutuam | Autor(a): Fernanda Martins | Editora(s): Secretaria de Estado de Cultura do Pará

Título: Não vão nos matar agora | Autor(a): Jota Mombaça | Editora(s): Cobogó

Título: Performances do tempo espiralar, poéticas do corpo-tela | Autor(a): Leda Maria Martins | Editora(s): Cobogó

Título: seLecT Floresta | Autor(a): Paula Alzugaray | Editora(s): Cinemática Editora

Título: Silva | Autor(a): Augusto de Campos, Olivio Tavares de Araújo, Orandi Momesso, Paulo Pasta e Paulo Venancio Filho | Editora(s): Via Impressa

Título: Tríbades, safistas, sapatonas do mundo, uni-vos: investigações sobre a poética das lesbianidades | Autor(a): Leíner Hoki | Editora(s): Margem da Palavra / Urutau

Biografia e Reportagem

Título: Banzeiro òkòtó: uma viagem à Amazônia Centro do Mundo | Autor(a): Eliane Brum | Editora(s): Companhia das Letras

Título: Escravidão – Volume II | Autor(a): Laurentino Gomes | Editora(s): Globo

Título: Guignard: Anjo mutilado | Autor(a): Marcelo Bortoloti | Editora(s): Companhia das Letras

Título: João Cabral de Melo Neto: Uma biografia | Autor(a): Ivan Marques | Editora(s): Todavia

Título: Lula: Biografia – Volume I | Autor(a): Fernando Morais | Editora(s): Companhia das Letras

Título: Memórias Sangradas: vida e morte nos tempos do cangaço | Autor(a): Daniel Brito e Ricardo Beliel | Editora(s): Olhares

Título: Ney Matogrosso: A biografia | Autor(a): Julio Maria | Editora(s): Companhia das Letras

Título: O ar que me falta | Autor(a): Luiz Schwarcz | Editora(s): Companhia das Letras e Penguin Random House

Título: O vento mudou de direção: o Onze de Setembro que o mundo não viu | Autor(a): Simone Duarte | Editora(s): Fósforo

Título: Um intelectual na política: Memórias | Autor(a): Fernando Henrique Cardoso | Editora(s): Companhia das Letras

Ciências

Título: A cor do inconsciente: significações do corpo negro | Autor(a): Isildinha Baptista Nogueira | Editora(s): Perspectiva

Título: Contra a realidade: A negação da Ciência, sua causa e consequências | Autor(a): Carlos Orsi e Natalia Pasternak | Editora(s): Papirus 7 Mares

Título: Covid-19 no Brasil: Cenários epidemiológicos e vigilância em Saúde | Autor(a): Carlos Machado de Freitas, Christovam Barcellos e Daniel Antunes Maciel Villela | Editora(s): Fiocruz

Título: História preta das coisas: 50 invenções científico-tecnológicas de pessoas negras | Autor(a): Bárbara Carine Soares Pinheiro | Editora(s): Livraria da Física

Título: Manual de Medicina Baseada em Evidências | Autor(a): José Nunes de Alencar Neto | Editora(s): Sanar

Título: Medicina do amanhã | Autor(a): Pedro Schestatsky | Editora(s): Gente

Título: O dia em que voltamos de Marte: uma história da ciência e do poder, com pistas para um novo presente | Autor(a): Tatiana Roque | Editora(s): Planeta

Título: Os Impactos Sociais da Covid-19 no Brasil: populações vulnerabilizadas e respostas à pandemia | Autor(a): Ester Paiva Souto, Gustavo Corrêa Matta, Jean Segata e Sergio Rego | Editora(s): Fiocruz

Título: Os muitos nomes de Silvana: contribuições clínico-políticas da psicanálise sobre mulheres negras | Autor(a): Ana Paula Musatti-Braga | Editora(s): Blucher

Título: Um tempo para não esquecer: a visão da ciência no enfrentamento da pandemia do coronavírus e o futuro da saúde | Autor(a): Margareth Dalcolmo | Editora(s): Bazar do Tempo

Ciências Humanas

Título: Arrancados da terra | Autor(a): Lira Neto | Editora(s): Companhia das Letras

Título: Brimos | Autor(a): Diogo Bercito | Editora(s): Fósforo

Título: Como remover um presidente | Autor(a): Rafael Mafei | Editora(s): Zahar

Título: Constelação Clarice | Autor(a): Eucanaã Ferraz e Veronica Stigger | Editora(s): Ims

Título: Enciclopédia Negra | Autor(a): Flávio dos Santos Gomes, Jaime Lauriano e Lilia Moritz Schwarcz | Editora(s): Companhia das Letras

Título: Memorial de grandes ausências | Autor(a): Aluízio Falcão | Editora(s): Cepe

Título: Menos Marx, mais Mises | Autor(a): Camila Rocha | Editora(s): Todavia

Título: Neoliberalismo como gestão do sofrimento psíquico | Autor(a): Christian Dunker, Nelson da Silva Junior e Vladimir Safatle | Editora(s): Autêntica

Título: O mundo desdobrável | Autor(a): Carola Saavedra | Editora(s): Relicário

Título: Palmares & Cucaú | Autor(a): Silvia Hunold Lara | Editora(s): Edusp

Ciências Sociais

Título: A economia brasileira de Getúlio a Dilma – novas interpretações | Autor(a): Fernando Augusto Mansor de Mattos e Victor Leonardo de Araujo | Editora(s): Hucitec

Título: A superindústria do imaginário | Autor(a): Eugênio Bucci | Editora(s): Autêntica

Título: A teoria do decrescimento e sua aplicação no constitucionalismo brasileiro para o alcance da sustentabilidade | Autor(a): Marcus Mauricius Holanda | Editora(s): CRV

Título: Fake Democracy | Autor(a): Gustavo Ferreira Santos | Editora(s): Tirant lo Blanche

Título: Histórias de morte matada contadas feito morte morrida | Autor(a): Niara de Oliveira e Vanessa Rodrigues | Editora(s): Drops

Título: Máfia, poder e antimáfia | Autor(a): Wálter Fanganiello Maierovitch | Editora(s): UNESP

Título: Marcha dialética do MST | Autor(a): Pablo Nabarrete Bastos | Editora(s): Garamond

Título: Novíssima Dependência | Autor(a): Lucas Crivelenti e Castro | Editora(s): Dialética

Título: Os gaúchos | Autor(a): Ondina Fachel Leal | Editora(s): Tomo Editorial

Título: Ricos & Malandros | Autor(a): Rodrigo Gava | Editora(s): UFSM

Economia Criativa

Título: A Amazônia Sustentável e o Ecossistema Empreendedor | Autor(a): Cristina Monte | Editora(s): Fala Negócios de Comunicação

Título: A melhor televisão do mundo | Autor(a): José Roberto Filippelli | Editora(s): Editora Terceiro Nome

Título: Aprendendo a inovar em projetos STEAM | Autor(a): Marco Braga | Editora(s): E-papers

Título: Conteúdo de marca | Autor(a): Leonardo Moura | Editora(s): Summus Editorial

Título: Decifrando Rendas | Autor(a): Vera Felippi | Editora(s): Obra Independente

Título: Design gráfico inclusivo na contemporaneidade | Autor(a): Cassia Leticia Carrara Domiciano, Márcio James Soares Guimarães e Mônica Moura | Editora(s): Cultura Acadêmica

Título: Emoção criativa | Autor(a): Pedro Garcia de Moura | Editora(s): Ventania Editorial

Título: Manihot Utilissima Pohl: Mandioca | Autor(a): Alex Atala | Editora(s): Alaúde Editorial

Título: Nem negacionismo, nem apocalipse | Autor(a): Artur Villela Ferreira e Gesner Oliveira | Editora(s): BEĨ

Título: Quarentena sem Pijama | Autor(a): Leila Rabello e Sintya Motta | Editora(s): Labrador

Eixo: Produção Editorial

Capa

Título: 1984 | Capista(s): Giovanna Cianelli e Pedro Inoue | Editora(s): Antofágica

Título: 1984 | Capista(s): Bloco Gráfico | Editora(s): Buzz

Título: A visão das plantas | Capista(s): Luciana Facchini Neto e Willian Santiago (em memória) | Editora(s): Todavia

Título: Crônica da casa assassinada | Capista(s): Guilherme Xavier | Editora(s): Companhia das Letras

Título: Enciclopédia Negra | Capista(s): Oga Mendonça | Editora(s): Companhia das Letras

Título: Letras que flutuam | Capista(s): Felipe Wanzeler | Editora(s): Secretaria de Estado de Cultura do Pará

Título: Lina | Capista(s): Daniel Trench | Editora(s): Todavia

Título: Livro do Desassossego | Capista(s): Vicente Repolês Oliveira Pessôa | Editora(s): Clube de Literatura Clássica

Título: O retrato de Dorian Gray | Capista(s): Gustavo Piqueira e Samia Jacintho | Editora(s): Panda Books

Título: O último ancestral | Capista(s): Douglas Lopes e Rafael Albuquerque | Editora(s): HarperCollins Brasil

Ilustração

Título: A bruxa Chatuxa que tinha medo da chuva | Ilustrador(a): Vanessa Prezoto | Editora(s): Carrocinha

Título: A casa do tatu | Ilustrador(a): Fernando Vilela | Editora(s): Ciranda na Escola

Título: Contos de cabras e bodes | Ilustrador(a): Bruna Lubambo | Editora(s): Jandaíra

Título: Nas garras dos babuínos | Ilustrador(a): Mauricio Negro | Editora(s): Gaivota

Título: O jardim da Lua | Ilustrador(a): Ana Matsusaki | Editora(s): Editora Tigrito

Título: Oikoá | Ilustrador(a): Luise Weiss | Editora(s): ÔZé Editora

Título: Orbitar | Ilustrador(a): Alexandre Rampazo | Editora(s): Maralto

Título: Origem | Ilustrador(a): Anna Cunha | Editora(s): Maralto

Título: Os invisíveis (nova edição) | Ilustrador(a): Odilon Moraes | Editora(s): Companhia das Letrinhas

Título: Os medos secretos do tijolo oco | Ilustrador(a): Luis Vassallo | Editora(s): Deborah D Almeida Leanza

Projeto Gráfico

Título: Abraham Palatnik: Experimentação/Encantamento | Responsável(eis): Gabriela Castro, Gustavo Marchetti e Paulo André Chagas | Editora(s): Nara Roesler Livros

Título: Desembola na Ideia | Responsável(eis): Marco Chagas | Editora(s): Agência de Iniciativas Cidadãs

Título: Epistemas | Responsável(eis): Gabriela Castro, Gustavo Marchetti e Paulo André Chagas | Editora(s): Nara Roesler Livros

Título: Letras que flutuam | Responsável(eis): Sâmia Batista | Editora(s): Secretaria de Estado de Cultura do Pará

Título: Lulu Traço & Verso | Responsável(eis): Daniel Kondo, Lilia Góes e Luiz Santos | Editora(s): Pancho Sonido e Ed Mus Eireli

Título: Memórias Sangradas: vida e morte nos tempos do cangaço | Responsável(eis): Daniel Brito e Ricardo Beliel | Editora(s): Olhares

Título: Onde Vive a Arte na América Latina | Responsável(eis): Lorenzo Lo Schiavo | Editora(s): Act.

Título: Os irmãos | Responsável(eis): Roberta Asse | Editora(s): FTD

Título: Ruy Ohtake, arquiteto | Responsável(eis): Alles Blau | Editora(s): Romano Guerra Editora e Instituto Tomie Ohtake

Título: Ubu Rei | Responsável(eis): Elaine Ramos | Editora(s): Ubu

Tradução

Título: A garota que não se calou | Tradutor(a): Nina Rizzi | Editora(s): Verus Editora

Título: A rosa de ninguém | Tradutor(a): Mauricio Mendonça Cardozo | Editora(s): Editora 34

Título: Argonáuticas de Apolônio de Rodes | Tradutor(a): Fernando Rodrigues Junior | Editora(s): Perspectiva

Título: Arte poética | Tradutor(a): Guilherme Gontijo Flores | Editora(s): Autêntica

Título: Ciropédia | Tradutor(a): Lucia Sano | Editora(s): Fósforo

Título: Conjuro da Guiné | Tradutor(a): Mariangela Andrade | Editora(s): Escola de Poesia

Título: Dissolução das controvérsias | Tradutor(a): Giuseppe Ferraro | Editora(s): Phi

Título: Eisejuaz | Tradutor(a): Mariana Sanchez | Editora(s): Relicário

Título: Pantagruel e Gargântua | Tradutor(a): Guilherme Gontijo Flores | Editora(s): Editora 34

Título: Todos os contos – Julio Cortázar | Tradutor(a): Heloisa Jahn e Josely Vianna Baptista | Editora(s): Companhia das Letras

Eixo: Inovação

Fomento à Leitura

Título: Ciranda do Saber | Responsável(eis): Meire Nascimento

Título: Clube de Leitura 6.0 | Responsável(eis): Fundação Observatório do Livro e da Leitura

Título: Jornada Latines | Responsável(eis): Slam das Minas SP, Carolina Peixoto e Pam Araujo

Título: Literatura Acessível | Responsável(eis): Aparecida Carina Alves de Souza

Título: Literatura Cura crianças e adolescentes vítimas de abuso | Responsável(eis): Gláucia Semíramis Sé Amantéa

Título: Mi Casa, Tu Casa. Minha Casa, Sua Casa. | Responsável(eis): Stéphanie Habrich

Título: Projeto Casinha de Livros Clara Beatriz | Responsável(eis): Clara Beatriz Maciel Nunes Dourado

Título: Revista Mina de HQ | Responsável(eis): Gabriela Borges

Título: Sempre um papo | Responsável(eis): Afonso Borges

Título: Vaga Lume: como livros mudam a vida de crianças e adultos na Amazônia | Responsável(eis): Sylvia Guimarães

Livro Brasileiro Publicado no Exterior

Título: 1984 | Editora(s): Grupo Companhia das Letras e Penguin Random House UK

Título: A coruja que me contou | Editora(s): Mil Caramiolas e Helvetiq Sàrl

Título: A mancha | Editora(s): Editora FTD e Hanulim Publishing Co.

Título: Além da chuva | Editora(s): Editora FTD e Spoonbook

Título: Danite e o Leão: um conto das montanhas da Etiópia | Editora(s): Editora do Brasil e Editora Panamericana

Título: O ar que me falta | Editora(s): Companhia das Letras e Penguin Random House

Título: O Meu Pé de Laranja Lima | Editora(s): Editora Melhoramentos e Editions Stock & Hachette Romans

Título: O oráculo da noite | Editora(s): Companhia das Letras e Pantheon Books – Penguin Random House

Título: Sebastopol | Editora(s): Companhia da Letras e New Directions Publishing

Título: Torto Arado | Editora(s): Todavia e Textofilia

Fonte: Prêmio Jabuti (clique aqui)

23 de setembro – Dia Internacional da Linguagem de Sinais

23 de setembro – Dia Internacional da Linguagem de Sinais

O mundo marca neste 23 de setembro o Dia Internacional da Linguagem de Sinais.

De acordo com a Federação Mundial de Surdos, existem cerca de 70 milhões de pessoas vivendo com surdez, e mais 80% delas estão em países em desenvolvimento.  

A resolução da Assembleia Geral que proclama a data pretende destacar a importância da linguagem de sinais na garantia dos direitos humanos de pessoas com limitações auditivas. 

Variações 

Segundo a ONU, existem mais de 300 variantes usadas em interpretações com sinais no mundo. 

A linguagem possui estruturas distintas das línguas faladas. Existe uma forma internacional que é usada por deficientes auditivos em reuniões internacionais e em encontros informais.  

Celebração 

Para a celebração, o Escritório das Nações Unidas em Genebra, na Suíça, está organizando com a Federação Mundial de Surdos um webinar sobre o tema 

O Dia Internacional das Línguas de Sinais foi comemorado pela primeira vez em 2018, como parte da Semana Internacional dos Surdos. 

A Semana Internacional dos Surdos foi criada em setembro de 1958 e, desde então, evoluiu para um movimento global e de defesa para conscientizar as questões que os enfrentadas por eles. 

Fonte: Nações Unidas

Bilíngues experimentam uma mudança de personalidade quando utilizando diferentes línguas

Bilíngues experimentam uma mudança de personalidade quando utilizando diferentes línguas

As pessoas bilíngues têm sido uma fonte de fascínio por anos, com vários estudos revelando que são mais receptivos, tolerantes e com mente mais aberta.

Uma pesquisa recente sugere que o comportamento e as perspectivas dos bilíngues também mudam de acordo com a linguagem que usam em um determinado momento.

Entre 2001 e 2003, os linguistas Jean-Marc Dawaele e Aneta Pavlenko entrevistaram mais de mil bilíngues sobre o assunto de se sentir uma pessoa diferente quando falam línguas diferentes.

Incrivelmente, quase dois terços confirmaram isso, e a maioria dos entrevistados também enfatizou diferentes traços de personalidade e a expressão de emoções alternativas, dependendo da sua escolha de linguagem.

A idade em que as línguas são aprendidas também têm um impacto, dependendo do nível do nosso desenvolvimento cognitivo no momento em que nos tornamos bilíngues e fluente em dialetos alternativos.

Para finalizar, os aspectos culturais que estão profundamente enraizados na linguagem também podem ter impacto sobre a personalidade dos bilíngues.

A nossa identidade cultural tem uma enorme influência sobre como aprendemos e os valores que nos são caros, mas aqueles que são bilíngues provavelmente já viajaram e absorveram culturas e estilos de vida alternativos.

Isso muda diretamente as suas perspectivas e desafia seus valores existentes, potencialmente criando uma personalidade mudada que se manifesta de várias maneiras diferentes.

Veja a matéria completa em: https://osegredo.com.br/bilingues-experimentam-uma-mudanca-de-personalidade-quando-utilizando-diferentes-linguas/

Advogada relembra tradução ‘improvisada’ de reunião para rei Charles III durante COP 26

Advogada relembra tradução ‘improvisada’ de reunião para rei Charles III durante COP 26

Uma advogada de Sorocaba (SP) relembrou, em entrevista ao TEM Notícias desta sexta-feira (9), o momento em que esteve próxima do agora rei Charles III. O encontro ocorreu em 2021 na COP 26, a Conferência das Nações Unidas sobre as mudanças climáticas, na cidade de Glasgow, na Escócia.

Flávia Bellaguarda participou da COP porque é fundadora de uma rede global de educação climática, que tem membros de 20 países. No entanto, um imprevisto fez com que ela precisasse facilitar a comunicação entre o então príncipe Charles e a comitiva brasileira.

A advogada conta que precisou traduzir, ao pé do ouvido do príncipe, as falas dos brasileiros no encontro. Ela suspeita que a dificuldade na comunicação se deu por uma falha no equipamento de tradução simultânea.

“Como eu estava menos de um metro do príncipe, eu perguntei se ele precisava de ajuda e ele falou que sim. Então eu peguei minha cadeira, sentei ao lado dele e mediei toda a reunião entre ele e os nossos governadores. Falei muito perto, porque eu não podia sobressair a voz dos governadores que estavam à mesa”, conta.

Segundo ela, a reunião serviu para que os governadores mostrassem para a Inglaterra as políticas climáticas que os estados brasileiros vêm desenvolvendo.

“Agora ele, como o novo sucessor, tem a responsabilidade de fazer com que essa pauta se fortaleça ainda mais no mundo e, quem sabe, ainda mais aqui no Brasil”, afirma Flávia.

——————

Não esqueça! Se precisar de tradução simultânea, conte com a QVP Traduções.

Fonte: G1

Hino nacional e dinheiro mudarão com morte de Elizabeth II

Hino nacional e dinheiro mudarão com morte de Elizabeth II

A morte da rainha Elizabeth II do Reino Unido, nesta quinta-feira (8), após 70 anos no trono, o reinado mais longevo da história da nação europia, trará pequenos impactos em coisas simples do dia a dia dos britânicos. Como o monarca da dinastia dos Windsor é citado em várias insígnias e símbolos oficiais do país, a mudança na chefia do Estado implica em alguns incômodos.

Hino

O hino do Reino Unido, “God Save The Queen” (Deus Salve a Rainha), mudará este verso para “God Save The King” (Deus Salve o Rei). Na verdade, esta última é a versão oficial da música, criada em 1975, no reinado de George II, mas que passou a ser utilizado como hino nacional apenas no fim do século XIX. Quando outras rainhas estiveram no trono neste período, a letra também foi alterada, como no caso de Elizabeth. Os pronomes “she” e “her” (ela) também são trocados por “he” e “him” (ele).

Moeda

A libra esterlina, moeda oficial do Reino Unido, que mesmo durante as décadas que pertenceu à União Europeia jamais adotou o euro, também sofrerá mudanças a partir de hoje. Todas as cédulas (produzidas por uma empresa privada chamada De La Rue) e moedas novas (feitas pela estatal Royal Mint) que forem emitidas após a morte de Elizabeth II trarão o rosto de seu filho Charles, o novo rei. Por tradição, se a face do monarca morto estiver virada para o lado esquerdo, por exemplo, o novo soberano aparecerá voltado para o lado direito, e vice e versa.

Nome oficial do governo

No Reino Unido, o nome oficial do governo, como aqui no Brasil usamos “Governo Federal”, é “Governo de Sua Majestade”. Na língua inglesa, um pronome, “his” (dele) e “her” (dela), identifica o governo como sendo de um rei ou de uma rainha. Enquanto Elizabeth II reinou, era “Her Majesty’s Government”, só que agora passa a ser “His Majesty’s Government”

Selos

Os selos usados nas postagens remetidas a partir do Reino Unido, a exemplo das cédulas de libra, também trarão a face de Charles III a partir de agora.

Brasão nacional

O chamado Royal Cypher, o símbolo do reino que aparece em absolutamente tudo que é estatal no país, das repartições públicas, às caixinhas do correio e também nos uniformes policiais, que até agora era representado por EIIR (Elizabeth II Regina), também precisará mudar para que o novo monarca use sua marca.

 

Fonte: Revista Fórum

Monica Stahel vence o 1º Prêmio de Tradução da Embaixada da França no Brasil

Monica Stahel vence o 1º Prêmio de Tradução da Embaixada da França no Brasil

Em celebração dos 30 anos da implementação do Programa Carlos Drummond de Andrade, que apoia a tradução no Brasil, a Embaixada da França no Brasil lançou um prêmio de tradução.

 

Aproximadamente 60 obras traduzidas foram inscritas por editoras brasileiras para o I Prêmio de Tradução da Embaixada da França no Brasil, e a grande vencedora foi a tradutora e editora Monica Stahel Monteiro da Silva. Stahel traduziu Murambi, o livro das ossadas, obra do escritor Boubacar Boris Diop publicada pela editora Carambaia em 2021.

 

O livro nasceu de informações colhidas pelo autor acerca de um genocídio que deixou 800 mil mortos em Ruanda, no ano de 1994. Sua publicação no Brasil teve apoio de dois programas da Embaixada, um voltado para a tradução e o outro para a cessão de direitos.

 

Para a seleção do vencedor do prêmio, um júri foi montado com três influentes nomes da tradução do francês para o português: os brasileiros Rosa Freire d’Aguiar e Marcos Siscar, e o francês Michel Riaudel.

 

Por mais que a tradução do francês e espanhol seja a principal ocupação profissional de Monica Stahel, a paulista também tem ampla experiência com edição e produção de livros desde a década de 1970. A tradutora foi a primeira a ter o trabalho contemplado como fundamental para a literatura no país, missão que irá perdurar anualmente por meio do evento.

 

Fonte: Correio Braziliense

Quais as exigências para ser um tradutor juramentado?

Quais as exigências para ser um tradutor juramentado?

Tradução Juramentada

A tradução juramentada é a tradução feita por um tradutor juramentado. Esse tradutor é habilitado em um ou mais idiomas estrangeiros e português, é nomeado e matriculado na junta comercial do seu estado de residência após aprovação em concurso público.

As traduções juramentadas tem fé pública em todo o território nacional e as versões são reconhecidas em países estrangeiros, com o mesmo valor e efeito do documento original.

 

Como se tornar um tradutor juramentado?

É preciso ter no mínimo 21 anos, ser brasileiro nato ou naturalizado e não ter sido condenado por crime cuja pena tenha sido a demissão de cargo público. É necessário também estar em dia com as obrigações militares.

Também é preciso passar em um concurso público organizado pelas juntas comerciais de cada estado. Quando editais são publicados, sindicatos e associações da área geralmente promovem cursos preparatórios.

No teste, aplicado pelas juntas comerciais, os candidatos devem traduzir um texto, de 30 linhas ou mais, do idioma escolhido para o português e vice-versa. Também há uma prova oral, em que é necessário ler textos em ambas as línguas. As notas vão de zero a dez, e só consegue o título de tradutor aquele que alcançar pelo menos média sete.

 

Precisando de tradução juramentada? Conte com a QVP Traduções.

Quais equipamentos são necessários para a tradução simultânea

Quais equipamentos são necessários para a tradução simultânea

 

Cabine de Tradução Simultânea

Este é o melhor formato para a tradução simultânea, tanto do ponto de vista dos intérpretes, como da plateia.

Os intérpretes e equipamentos ficam dentro da cabine de tradução simultânea com isolamento acústico e traduzem para a plateia. O áudio dos intérpretes é captado, transmitido e sai pelos fones de ouvido da plateia.

Na cabine de tradução o intérprete tem uma bancada onde pode montar o seu laptop com glossários e apresentações, controles para aumentar ou diminuir o volume da voz do palestrante, botão de tosse, iluminação direcionada para ler discursos, e outros recursos que elevam a sua capacidade de concentração e facilitam o trabalho.

A cabine de tradução costuma ser posicionada no fundo da sala, ou em outro lugar que propicie boa visão do palco para os intérpretes. Teatros e auditórios mais sofisticados podem incluir uma cabine fixa em seu projeto arquitetônico, geralmente na área técnica ou mezanino, longe da plateia.

Esta é a solução de escolha para eventos realizados em salas de médio a grande porte. A regra geral é que qualquer sala com um espaço livre de aproximadamente 3 m x 3 m pode comportar uma cabine de tradução, com excelentes resultados.

 

Equipamento portátil de tradução simultânea

Prático, leve e econômico!

O mini equipo é um equipamento portátil de tradução simultânea que funciona sem a necessidade da cabine ou do biombo.

Indicado para pequenas reuniões no escritório do cliente e para a tradução de acompanhamento em ambientes barulhentos ou abertos, tais como fábricas e visitas a campo. Este tipo de equipamento também é muito utilizado em reuniões de Conselhos de Administração. Uma das suas principais vantagens é ser compacto e totalmente portátil.

O intérprete acompanha a visita guiada e usa um transmissor portátil com microfone (e os ouvintes seguem a fala do orador na voz do intérprete sem esforço, por meio de seus receptores individuais (aparelhos menores).

É uma excelente escolha para reuniões de até 25 pessoas em ambientes fechados.

A qualidade acústica para os ouvintes é impecável e o custo torna-se mais atraente do que a cabine.

 

RSI – Remote Simultaneous Interpreting

Agora mais recentemente com a pandemia da COVID 19 foi popularizado o uso das plataformas de interpretação como o ZOOM.

Plataformas que permitem que reuniões e eventos aconteçam junto com a interpretação simultânea.

Essas plataformas deram agilidade e oportunidade e abriram novas possibilidades para a interpretação simultânea.

Professora e ex-alunas criam app de ‘tradução simultânea’ para a língua dos sinais

Professora e ex-alunas criam app de ‘tradução simultânea’ para a língua dos sinais

No Brasil, estima-se que tenham algum problema de audição 10 milhões de pessoas, das quais 2,7 milhões não ouvem nada, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Como somente 2 milhões de brasileiros sabem usar a Língua Brasileira de Sinais (Libras), há uma barreira de comunicação.

Para ajudar a contorná-la, uma professora e três ex-alunas do Serviço Social da Indústria (Sesi) desenvolveram uma ferramenta que em tempo real transforma os sinais em linguagem oral.

O aplicativo mapeia as expressões faciais e faz o reconhecimento do esqueleto da mão para decifrar os sinais de Libras. Além disso, utiliza transcrição de áudio para texto e tradução por imagem e inclui um minidicionário.

O aplicativo ganhou o nome de Bilinguismo por fazer a tradução da linguagem tanto para os surdos quanto para os ouvintes. “Os tradutores disponíveis atualmente limitam e excluem um lado da conversa. Não existe uma troca”, explica Larissa.

“Já funciona bem em computadores. Agora estamos transportando essa tecnologia para o celular”, diz Lívia. O trio acredita que o app para celulares estará disponível em cerca de um ano.

Na prática, quando um surdo e um ouvinte forem conversar, eles usarão a câmera de seus celulares para captar o som e as imagens dos sinais. O aplicativo reconhece os movimentos da mão e traduz os sinais de Libras para o português. Ele também faz o caminho inverso: mostra em sinais a linguagem oral.

A tecnologia não envolve internet, mas sim as redes neurais, complexos sistemas matemáticos capazes de fazer uma máquina aprender tarefas por conta própria.

O app já ganhou quatro prêmios em feiras brasileiras de ciências e engenharia e participa do London International Youth Science Forum (LIYSF), neste fim de semana.

Veja a matéria completa em: https://www.terra.com.br/nos/professora-e-ex-alunas-criam-app-de-traducao-simultanea-para-a-lingua-dos-sinais,348bf06a3e042bc43ede464ae65475f6l34hzo17.html